Os Muscle Cars do Brasil

Os Muscle Cars Nacionais

Os automóveis sempre influenciaram as pessoas no mundo todo, como símbolo de status, elegância e arrojo. E nada melhor para coroar essa simbologia do que um veículo esportivo, veloz, que traduza em polegadas cúbicas as cifras da conta corrente de seu proprietário.

No Brasil não podia ser diferente, e o país apresentava um mercado carente em esportivos nacionais de alta cilindrada, sendo que os veículos potentes vendidos por aqui eram importados dos Estados Unidos. Mas no início da década de 70, a situação começou a mudar, trazendo boas novas aos amantes da performance, com o lançamento, nos primeiros anos da década, de quatro esportivos que arrepiaram os pêlos do mais cético dos motoristas.

O primeiro da lista é o Opala SS, que em junho de 1970, balançava o mercado com seu motor 4,1 litros de pura diversão. As faixas pretas no capô, assentos individuais e alavanca de câmbio no assoalho o tornaram um ícone de imediato. O volante de madeira de boa pega e o motor vermelho, garantiam emoções fortes ao seu motorista, ou melhor, piloto. O modelo 1972 trazia a carroceria cupê, que o deixou verdadeiramente esportivo, com seu perfil fastback. O modelo traria mudanças mais significativas quatro anos mais tarde, com nova carroceria e o lançamento do motor 250-S, que dispensa comentários. Em 1981, saía de linha, deixando órfãos seus fiéis admiradores.

Num outro extremo, os fora-de-série, mas utilizando o mesmo motor de seis cilindros, temos o Puma GTB. As semelhanças terminam por aí, pois o felino tinha personalidade própria e estilo único. Utilizando fibra de vidro em sua carroceria, o GTB apresentava comportamento nervoso em sua condução.


» Os Muscle Cars do Brasil - Parte II

« Voltar